Quem Mexeu no Meu iPod?






30.5.08

Trailer do novo dos Coen

Share

Trailer de Burn After Reading


A história segue um ex-agente da CIA (Malkovich) que está escrevendo um livro mas perde o disco com suas anotações, encontradas pelo personagem de Brad Pitt, que resolve chantagear o agente. George Clooney faz um assassino escalado pela CIA para solucionar o problema. Tilda Swinton, J.K. Simmons e Frances McDormand também estão no elenco.

Not Related: Saramago Emocionado

A crítica pode até não ter recebido de forma calorosa o filme “Ensaio sobre a cegueira”, que abriu a 61ª edição do Festival de Cannes, na última quarta-feira (15). Mas o diretor brasileiro Fernando Meirelles recebeu a aprovação daquele que mais entende a história do longa: José Saramago, autor do livro.Um vídeo amador colocado no Youtube mostra a reação emocionada do escritor português após a exibição do filme no festival. Sentado ao lado de Meirelles, Saramago diz: “Fernando, estou tão feliz de ter visto este filme como estava quando acabei de escrever o livro”.



Nos emocionamos também!

Conversa Fiada

Share

Semana bafônica. Trampamos muito, ficamos doente, ressacon pós Parada Gay, pós After no D-edge (melhor pista Paulistana so far). E enfim boa notícias: Depois da confirmação das bandas: "The Go! Team" e "Fujiya & Miyagi", para o MotoMIX que rola free em São Paulo, no parque do Ibirapuera, agora foi confirmado que a banda "Metric" vem. Fazendo um pop rock com pitadas de música eletrônica do bem desde 1998 a banda canadense pisa em solo brasileiro para um show que acreditamos ser discreto, porém eficiente.

- E quem vai ver Domingo Macy Gray? Nós Vamos.

E Tem entrevista no Mix Brasil comigo:
http://mixbrasil.uol.com.br/mp/upload/noticia/3_47_67027.shtml
Para quem não sabe, eu estudo os Cinemóns Paulistanos.
Bom, essa é velha, mas o papo foi legal!

29.5.08

Parece um sonho? Não, melhor.

Share



Com esse diálogo encantador dura quase toda a faixa Collapsing at Your Doorstep, do novo álbum da banda sueca Air France.
No Way Down tem menos de meia hora de duração, o que demanda mais algumas ouvidinhas, mas algumas que já chamaram a atenção foram No Excuses e a preciosa Collapsing at Your Doorsteps.Imperdível!


Air France - Beach Party

Baixe No Way Down aqui e On Trade Winds (2006) com a magnífica Beach Party, aqui.



Not related:


No Leaks (ao lado) foi adicionado Red Album, novo álbum do Weezer - está bem legal, gostoso de se ouvir numa tarde entediada no trampo - destaques para Pork and Beans (grudeenta) e a Bonus Track The Weight, que Travis já fez cover, sendo a versão original da The Band.

Choke Trailer

Share



Do escritor de Clube da Luta, o trailer de Choke (estréia em setembro nos EUA) tem todos os diálogos sarcáticos e profanos já esperados e música de Clap Your Hands Say Yeah.

Not related:

Um novo remix de Blind de Serge Santiago, que faz parte do álbum single de Hercules & Love Affair, prontinho para a pista:



Também no single, um outro remix, feito por Frankie Knuckles:

28.5.08

Sigur Ros - Gobbledigook Video e MP3

Share





Faz parte do quarto álbum da banda chamado "Me Su í Eyrum Vi Spilum Endalaust" (Com um zumbido em nossos ouvidos nós tocamos eternamente).

MP3: Sigur Rós :: “Gobbledigook” (salvar como...)

27.5.08

CocoRosie - God Has A Voice, She Sings Through Me Video

Share

Vote em Justice

Share

Está no myspace do Digitalism que eles tocarão no Skol Beats desse ano; e mais:
o duo francês Justice está na lista de seleção dentre 14 nomes internacionais para fazer parte do evento que será realizado dia 27 de setembro ainda sem local definido, são eles:

2ManyDJs (Bélgica)
Agoria (França)
Armin Van Buuren (Holanda)
Digitalism (Alemanha)
Dillinja (Inglaterra)
Dubfire (EUA)
Fergie (Irlanda)
Justice (França)
Makoto (Japão)
Markus Schulz (Alemanha)
Menno de Jong (Holanda)
Pendulum (Austrália)
Sebastian Ingrosso (Suécia)
Steve Angello (Suécia)

Porém somente 7 irão participar; a votação acontece entre esta quarta (28 de maio) e 8 de junho, pelo site http://www.skolbeats.com.br/.

Not related:

Faleceu ontem devido ao câncer Sidney Pollack, famoso diretor de Tootsie, Entre dois amores, A Firma, entre outros.Como produtor, realizou Conduta de Risco, do ano passado.

26.5.08

Vídeos perdidos do Feriadão

Share

Ratatat - Mirando
Usando as mesmas técnicas do vídeo de Justice para Phantom pt.2, dessa vez com cenas de Predador - muito bom!


Girls - Morning Light
Um vídeo mto atrevido e chique - gostei!


Weezer - Pork and Beans
No clipe do novo single do Weezer, eles chamam para participar rostos famosos do YouTube:
desde a bichinha do "Leave Britney Alone", passando pelo Star Wars Kid, o Chipmunk louco, Chocolate Rain, o gordin que dubla até os experimentos de coca cola com mentos e o sensacional clipe de Shoes.


************

Baixem djá um dos leaks mais aguardados do iPod:
Walter Meego - Voyage.
À la Simian Mobile Disco, ótimo electro-pop colorido.
Destaque para as faixas Wannabe a Star e Keyhole ;)

Entrevista com Julianne Moore

Share

Julianne Moore recebeu a reportagem do Jornal do Commercio no Hotel Martinez, em Cannes.
pór Kleber Mendonça Filho


Pergunta – José Saramago viu o filme?

JM – Ainda não, a filha dele estava na sessão oficial, ela gostou muito, o que me deixou feliz. Nesta próxima sexta, eles vão levar o filme para Lisboa para que ele o veja.

KMF– O seu personagem, "a mulher do médico", sai fortalecida no filme. Quando de você mesma foi no fortalecimento da personagem?

JM – Como atriz, a melhor coisa que você tem ao seu dispor é você mesma. Você tenta sempre enfocar do ponto de vista dela e aí você vai se colocando aos poucos. Com essa personagem, eu não conseguia nem enxergar o seu "o arco", se é que ele existe, eu só tinha que ir daqui para ali. Literalmente, ela ia por partes, tipo, "hoje eu faço isso", "hoje eu lavo as roupas dele", "isso está sujo". Há uma cena que infelizmente foi cortada onde eu lavava o cabelo de Alice (Braga), ela tentava se lavar na pia e eu chegava e lavava o cabelo dela. Não era um sistema onde ela pensava "vou ajudar essas pessoas que não estão enxergando", mas pequenos passos tomados em direção a um senso de responsabilidade.

KMF– Qual seria o objetivo do filme para vocês que o fizeram?

JM – Filmes não prevêem nada, filmes apenas refletem. Quando você adapta literatura, tenta-se iluminar uma história com o próprio cinema, tenta-se habitar essa história. Não faz parte do meu trabalho dizer o que vai acontecer porque, afinal de contas, esse filme reflete uma ansiedade que aflige toda uma cultura globalmente. Como Fernando diz sempre, há várias maneiras de olhar para essa história, politicamente, socialmente.

KMF – A cena que muitos comentam no filme é a do estupro do grupo de mulheres, também momento forte originalmente do livro.

JM – Nós nunca duvidamos da capacidade e delicadeza de Fernando para tocar essa cena. Sabia que ele seria específico e cuidadoso em relação ao que ele precisava. Também tínhamos um grupo de atores muito conscientes em relação aos sentimentos dos colegas. É também uma cena importante também até por fazer alguns questionar "será que as pessoas desceriam àquele ponto?" É claro que sim, e um comportamento conhecido nas guerras, estupro. Na verdade, trabalhar o livro Ensaio Sobre a Cegueira é tarefa tão árdua para o ator, especialmente para o meu papel. Como atuar e mostrar que ela quer fazer algo, mas ela não faz? A direção de Fernando (Meirelles) me permitiu desenvolver isso, pois ele administra tanta informação ao mesmo tempo em que ele pinta o quadro com um pincel pequeno, que deixa que o seu rosto fale muito do que fica implícito.

KMF – Na coletiva de imprensa você parecia empolgada com a idéia de filmar com diretores de outras nacionalidades, Fernando Meirelles, brasileiro, um filme recente seu ainda em finalização – Shelter - dirigido por dois suecos, Måns Mårlind e Björn Stein. Há uma diferença entre trabalhar com diretores americanos e estrangeiros?

JM – Eu sou uma atriz americana e aço filmes, em grande parte, americanos. No entanto, o mundo está mudando e essa "experiência global" está se tornando mais presente e ganhando reflexo no mercado de cinema. Ao mesmo tempo, não há uma diferença. É claro que há diferenças culturais, o que, obviamente, vira piada rapidamente, "o que faz os suecos serem o que são?", "porquê brasileiros são diferentes?", mas no final das contas, quando você está ali trabalhando, todos usam o mesmo vocabulário, o do cinema. Outra coisa é que, como artista, abre literalmente outros mundos para você que não estavam disponíveis dez anos atrás, ou mesmo cinco anos atrás. Ensaio Sobre a Cegueira, por exemplo, foi financiado com dinheiro do Japão, Canadá e do Brasil.

KMF – Vendo ano passado Pecados Inocentes aqui em Cannes, fica difícil não cogitar se uma atriz como você não fica com cicatrizes deixadas por personagens.

JM – Não fico, é tudo faz de conta. Tenho enorme interesse no comportamemto, porque as pessoas fazem o que fazem, porque as coisas acontecem, as conseqüências do comportamento. Fiquei fascinada pela família Baekeland (família adaptada de personagens reais, em Pecados Inocentes), eles eram realmente problemáticos psicologicamente, era claro que havia ali doença mental, alcoolismo e drogas, necessidade voraz por atenção, ela era maníaco depressiva e alcoólatra, ele foi diagnosticado como paranóico esquizofrênico.

KMF – Você está na capa da Vogue francesa esse mês, em todas as bancas. Você gosta de fazer esse lado "glamour"?

JM – Sabe que gosto?! Essa capa, em especial, eu levei muito a sério, toda a equipe representa o que há de mais sofisticado em estilo hoje no mundo, nós fotografamos muito rapidamente, foi tudo muito fácil, eu tenho que dizer que achei o máximo estar na capa da Vogue francesa.

KMF – Como foi sua experiência em São Paulo, durante o tempo em que filmou lá?

JM – Obviamente que me diverti muito lá, as pessoas foram fantásticas, mas é tão grande, tão movimentada. Até mesmo Fernando voltava impressionado com a energia louca da cidade. É uma cidade de extremos, e acho que isso foi perfeito para o filme, com riqueza extrema e pobreza extrema lado a lado. É mais um exemplo de "será que as pessoas estão vendo isso, ou estão preferindo não ver?" O próprio uso de helicópteros para evitar áreas ruins é uma amostra disso. O que acontece numa cidade como São Paulo é apenas mais dramático, pois é algo que se passa em todo o mundo.

80's Again, and again, and again

Share



A banda de new wave Blondie, formada nos anos 70 em Nova York, lançará no próximo mês uma edição especial de seu terceiro disco, “Parallel Lines”, em comemoração aos 30 anos de seu lançamento.Essa nova versão do disco, que conta com o clássico “Heart Of Glass”, virá com faixas bônus. Mais detalhes devem ser revelados em breve.A única coisa que dá medo, é que o Blondie se desgaste como aconteceu com os The Smiths.
E aí, chega de 80? Ou ainda dá pra aguentar um pouco mais?

21.5.08

Cut Copy - Hearts on Fire Video

Share

Como se fosse o vídeo que Travis não fez (felizmente) - Hearts on Fire estava caminhando para um video muito ok, se não fosse o final sem esperanças :)




Not related, já conhecem a Bell ?

Clipes de Synecdoche, New York

Share



Synecdoche, New York é o primeiro filme dirigido por Charlie Kaufman (roteirista de Adaptação, Quero ser John Malkovich e Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças).



"O filme acompanha um diretor de teatro, interpretado por Philip Seymour Hoffman (Capote), que, após descobrir que tem problemas em uma visita ao dentista, decide empreender uma ambiciosa montagem: criar uma réplica de Nova York dentro de um galpão para uma peça teatral.
Synecdoche, New York - o título faz menção àquela figura de linguagem que estabelece relações de compreensão tomando a parte pelo todo - tem ainda no elenco Michelle Williams, Catherine Keener, Samantha Morton e Tilda Swinton, todas mulheres que passam pela vida do personagem principal." - segundo Omelete.

O filme passou em Cannes mas não tem data de estréia prevista nem nos EUA - embora a Paramount promete para até o fim do ano.

20.5.08

Nova do Beck : Chemtrails

Share



"Chemtrails" é a primeira faixa a aparecer do seu próximo álbum produzido por Danger Mouse.
Rumores dizem que o nome do álbum será Modern Guilt (nada confirmado); e Chemtrails tem mesmo uma pegada bem moderna - vale a pena conferir.
Dá pra ouvir a música nova no site do Beck em beck.com ou na sua página do myspace aqui.

19.5.08

Álbum do Dia: Camille - Music Hole

Share


Baixe aqui

Último álbum da carreira solo de Camille Dalmais (vocalista do Nouvelle Vague).
Depois dos maravilhosos Le Sac des Filles, Le Fil e Live au Trianon, saí Music Hole.
Destaque para as faixas Gospel with no Lord (primeiro single), Money Note.

Cinco iPods para ela!

CocoRosie - God Has A Voice, She Speaks Through Me

Share



Depois de um ano do "The Adventures Of Ghosthorse & Stillborn" as irmãs Cassidy estão de volta - mas dessa vez só com um single digital.
Teremos um novo álbum delas em 2009 e será "uma exploração espiritual de dance music, levado por temas apocalípticos e oceânicos".
Atualmente as irmãs estão numa "jornada sem fim de verão, percorrendo as praias do mundo, onde músicos folk de Madagascar vão criar novas vidas para CocoRosie." - inspirador hein...
Ficamos no aguardo, abaixo "God Has A Voice, She Speaks Through Me":

Enquanto isso ....

Muita ansiedade para assistir a adaptação do livro "Ensaio sobre a Cegueira". A crítica posicionou-se contra o filme. O que eu acho muito bom. E Saramago autor do livro, gostou. Estaria ele sendo político? Acho que não, ele costuma ser muito franco e contundente com suas opiniões.
Gostamos de Fernando Meirelles, mas é uma obra muito difícil. E com certeza os idiotas vão lotar os cinemas à procura de um filme “muito loko”, toda essa soma aumenta a ansiedade. (Aguardem a lista filmes excelentes que os "idiotas" amam).
Se alguém souber que vazou, por favor, nos avise!


The Cure - The Only One Video

Share

Novo single do The Cure - super ok, igual a tudo que já ouvimos e vimos.

16.5.08

Once - Apenas uma vez

Share



Esse delicado filme irlandês foi baixado pro iPod já faz alguns meses, mas assim como “Sangue Negro” e mais alguns outros bons filmes, eu não sei ao certo porque, mas estamos evitando comentar, afinal são filmes tão bons e cheios de qualidades e ímpares, que merecem ser assistidos, muito mais do que comentados.
Alguns bons filmes padecem de muitos comentários e acabam se perdendo e esvaziando-se. É o caso de filmes como: “Dançando no Escuro” ou “As Horas”, que são filmes individualizados e que não deveriam ser assunto de blogs ou Botecos.
Porém não há como resistir em dizer: Assista!

Filme que conta com uma narrativa engenhosamente simples e torna-se referência na história do cinema em como utilizar de forma correta a música para compor um roteiro.
São oitenta e cinco minutos muito bem utilizados, para contar a história de um músico que toca suas canções nas ruas de Dublin e conhece uma florista tcheca que toca muito bem piano. Durante uma semana, eles convivem um com o outro e compõe e se tornam próximos, embora ela seja casada e ele esteja apaixonado pela ex-namorada. As músicas todas belíssimas vão dando lugar aos diálogos e compondo um filme musical devido sua forma, mas também antimusical por abordagem.
Delicado, Honesto e, sobretudo original.



**************************
Not Related:

Para o final de semana, o downtempo português de Coldfinger.
Destaque para o cover de Whota Lotta Love do Led Zeppelin.
Baixe Sweet Moods And Interludes aqui.



**************************
Not related 2:
Para os amantes da balinha! ;)

Coldplay - Violet Hill Video UPDATE

Share

O clipe foi retirado do ar - era ruim mesmo...

****************
Nesse que é um dos piores clipes de 2008 - pela lupa de Chris, pelo headbanger do grupo em volta do piano - aprendemos que Chris Martin tem dentes bonitos (apesar de ser britânico) - e que eles parecem tristes (apesar deles serem muito ricos).

15.5.08

Man Man - Mister Jung Stuffed Video

Share

Os clipes de animação em 2D estão voltando hein ?!
Que festa bizarra essa...



******************************
Falando em bizarro....

Eraserhead sai em DVD!

Em 1977 era entregue ao mundo do cinema o primeiro Longa Metragem de um dos diretores mais inventivos e originais de todos os tempos. David Lynch nos apresentava “Eraserhead”: original, surrealista, angustiante e bizarro. Em seu primeiro longa-metragem, David Lynch já demonstrava o que viria “a ser” no mundo cinematográfico. Para muitos, inclusive, é o melhor filme de sua carreira. (Para aqueles que só gostam do que já passou).
O filme conta à história de Henry Spencer é um solitário operário, que tenta sobreviver a indústria do vírus, de sua raivosa namorada e dos gritos de seu filho, um bebê mutante. Sua única diversão é ouvir os ensinamentos de uma mulher no rádio que fala sobre felicidade no paraíso. E enquanto isso ele é abandonado por sua namorada e precisa cuidar sozinho de sua criatura.
Obscuro filme inédito no mercado de vhs/dvd do Brasil, finalmente chega em tela cheia (humpf) e com extras moderados, porém é item indispensável para qualquer colecionador.

14.5.08

The Ting Tings - We Started Nothing

Share



O quão grande são as coisas pequenas ?

No final do ano passado surgiu “That’s Not My Name” – umas das músicas mais legais, grudentas dos últimos anos! E surgiu também a pergunta – Quem são The Ting Tings ?

Katie White (vocalista) e Jules De Martino (o cara dos fundos – ele toca uma mini-bateria, faz backing vocal e remixa as músicas) são de Salford, UK e chegaram fazendo barulho – diferente do que seu álbum debut sugere (Não Começamos Nada).
Logo depois do “Thats Not My NameMania” vazou outra música, ainda mais divertida, Great DJ, com seu vocal resmungão “ah, ah, ah” invadindo nossos ouvidos; em seguida aparece Fruit Machine – e justamente são as melhores faixas de um dos “álbuns completos” mais aguardados pelos indies de plantão!
The Ting Tings fazem um indie pop grudento, sujo e muito rápido (o álbum todo tem menos de 40 minutos) – We Started Nothing abre com as três já vazadas músicas, outra faixa que merece destaque é “Shut up and let me go” (termo que já foi comercial de iPod) – nela ouvimos uma Katie com pegada bitchy; em “Be The One” os dois dividem o vocal num pop indie de se confirmar com a cabeça a cada batida, lembrando o comecinho do Cardigans; já na faixa “Traffic Light”, uma balada jazzy, diferente do resto do álbum; e na faixa-título “We Started Nothing” onde o álbum termina, um riff a lá Rolling Stones.

”We Started Nothing” assim como seu hit, é divertido e rápido – literalmente, pois é um álbum passageiro e infelizmente a dupla não deixou nenhuma grande surpresa para o final, divulgando antes da saída do álbum, suas três melhores faixas.

Baixe aqui!
Nota:



The Ting Tings - That's Not My Name

Primeiros Clipes de Blindness - e fotos!

Share

O filme top 1 da famosa lista "Filmes que ainda não assistimos, mas já amamos" - estréia hoje no 61º Festival de Cannes.










mais fotos aqui.

bjomesubdesenvolva VIII

Share

O Menino da Porteira



O cantor Daniel irá aparecer nas telonas novamente, e desta vez como protagonista, no remake do filme O Menino da Porteira. Ele será o boiadeiro Diogo, interpretado por Sérgio Reis na versão original.

E enquanto isso:
Rolou em São Paulo o coquetel reuniu estrelas do cast da produtora Brasileirinhas, como a ex-malandrinha Vivi Fernandez, Marcelo Ribeiro (o garoto que contracenou com Xuxa em "Amor, Estranho Amor") e Thammy Gretchen, para promover o filme brasileiro sensação "Pecados & Tentações" antes do trailer ser exibido, a atriz Leila Lopes (ex - Globo) frisou diversas vezes que sua principal exigência para aceitar a proposta foi que "Pecados & Tentações" fosse um filme "de verdade", com início, meio e fim. "Sou louca pelo Nelson Rodrigues, adoro personagens como a Engraçadinha, e queria que o filme tivesse esse clima, com diálogos e cenas dramáticas", disse.



E tem gente que insiste na tese de que o cinema brasileiro vai bem!

13.5.08

Air - Moon Safari 10 anos

Share



Era 15 de abril de 1998, o mundo recebia um dos álbuns mais fundamentais da música eletrônica. O duo francês Air nos apresentava “Moon Safari” e o espaço sideral nunca esteve tão perto. Foi incrível o impacto causado por esse álbum em todos os admiradores da boa música.

Se na primeira metade da década de 90 a música eletrônica era em sua maioria esfuziantemente dançante, o Trip Hop inglês veio deixar as coisas mais cinzentas lá pela metade da década. O Air veio num paralelo alheio, mas não desconectado a tudo isso.



Moon Safari abre seu track list com a instrumental "La Femme D' Argen" parece uns sonhos cheios de estrelas, é uma preparação para "Sexy Boy". O grande hit do álbum é uma delicada ode a sensualidade. O inspirado álbum de estréia ainda revela as instrumentais Talisman, Ce Matin La e Le Voyage de Penelope que são um convite a ouvir o silêncio do universo. Além da extrema delicadeza dos vocais Beth Hirsch em “All I Need” (música favorita do Air forever) e “You Make It Easy”.

Romantismo, num clima onírico e com alguma sensualidade são os temperos desse que é um dos melhores álbuns de todos os tempos! E ele completa dez anos e ganha uma versão deluxe com material bônus (um cd e um dvd). O espírito daquele momento é resgatado com temperos de modernidade e ouvir de novo essa pérola novamente e perceber o quanto ele se mantém intacto é uma certificação e tanto!


Sexy Boy

Nota:

Baixe Air Moon Safari Esp. Ed. ao lado!

Portishead - Rip Video

Share

Através de animação em 2d, personagens bizarros vão passando pela tela, se confundindo (e se transformando) pela tênue linha entre o cair e o voar - lindo!
Veja em high definition aqui.

12.5.08

Rufus Wainwright Solo Perfomance no Brasil

Share

Rufus Wainwright se apresentou na última sexta-feira no Via Funchal em São Paulo.
Também se apresentou no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e amanhã se apresenta em Brasília.

Sua irmã Martha Wainwright abriu o show – que nós pensávamos que só veríamos fora do Brasil – cantando poucas porém ótimas músicas como Bleeding All Over You, Jesus and Mary do seu novo e fraco álbum (em comparação ao seu debut) “I know You are Married – but I have Feeling Too” - baixe aqui.
Cantou também as ótimas "Factory" e seu hit "Bloody Mother Fucking Asshole", acompanhada pela sua mãe Kate e seu marido.



Rufus Wainwright entrou no palco logo em seguida.
Fofo – comentou do trânsito de São Paulo (recorde do ano) – e disse que se sentiu bem aqui pela semelhança com Nova Iorque.
Somente no piano e no violão – ora acompanhado com sua irmã, cunhado e mãe (que cantou Manhã de Carnaval) – Rufus apresentou pouco mais de 20 músicas num show de duas horas que se passaram despercebidas.

Destaque para as canções “I’m going to a town”, “Cigarretes and chocolate milk”, “Not Ready to love”, “Sans Souci”, “Nobody’s off the hook”, “The Art Teacher”, “Hallellujah” (de Leonard Cohen) e os covers “Somewhere Over the Rainbow” e “Foolish Love”, ambas de Judy Garland – outro ícone gay - sentimos falta de "The Origin of Love", "Release The Stars", "The One I Love" e "Old Whore's Diet", que canta junto com Antony Hegarty.
Usando muitas referências hollywoodianas, Rufus encantou o público, num show cativante, que sua voz erudita proporcionou ao show – que era só dele.
Rufus não trouxe consigo sua banda, fazendo versões diferentes das músicas de seus álbuns.

O Fim do Arco-Íris

Share


Foto por +lyn

Chega uma hora que não dá mais para ouvir certos álbuns, não por enjôo – justamente o contrário – para não se desgastar, um álbum tem que ser deixado de lado, algumas músicas aparecendo as vezes no random do iPod, iTunes ou qualquer player de mp3.
Enfim retirei In Rainbows - um dos melhores álbuns do ano passado e da história da música - do meu iPod.
Desde quando vazou em meados de outubro, a revolução musical de Radiohead vem preenchendo um espaço muito generoso nos meus players.
Foram 7 meses agitados (15 Steps, Bodysnatchers), apaixonantes (House of Cards, All I Need) e inspiradores (4 Minute Warning, Last Flowers to the Hospital) – ouvindo faixas que nasceram clássicas, desde seu lançamento em mp3 quando a banda decidiu que seus ouvintes iriam decidir o preço do álbum, um marco na história fonográfica.

A história de In Rainbows nunca vai terminar.
Ainda teremos clipes, singles, remixes, notícias e possivelmente um show na América do Sul – dedos cruzados.

O que vou colocar no meu iPod no lugar?

Algumas músicas avulsas, já que o efeito In Rainbows – não no seu lado revolucionário, mas sim de “um álbum completo” – já foi preenchido por Third, de Portishead (igualmente agitado, apaixonante, melancólico e inspirador) – um dos melhores de 2008.

Gnarls Barkley - Going On Video

Share

Os vídeos da dupla Gnarls Barkley são sempre interessantes: Crazy parece um trabalho árduo no Illustrator; Smiley Faces, uma montagem com videos históricos, como se a dupla fosse da década de 30/40; Run (uma paródia aos vídeos de Justin Timberlake) foi proibido na MTV americana porque podia causar ataques epiléticos nas pessoas que viam e com Going On, dirigido por Wendy Morgan e gravado na Jamaica, não é diferente - na verdade é diferente sim, como todos os outros!
E com um final muito interessante.

9.5.08

Madonna - Hard Candy

Share

A Rapadura - Madonna é doce, mas não é mole não!



Chega aos mercados formais o novo cd do maior ícone da música pop. Madonna as vésperas de completar 50 anos e depois do sucesso de crítica e público de seu último álbum “Confessions on a Dance Floor”, anunciava que iria trabalhar com nomes da música Black comercial americana. Muito se especulou, muitas vozes já “gongavam”, muito antes dele sequer vazar. Cogitava-se que Madonna havia se tornado um simulacro de si mesma, que soaria cansativa e que seria dominada pelos “Top” Produtores.

Assim que ouvimos 4 minutes, confesso que nós aqui do iPod ficamos bastante preocupados. Porém assim que a “versão álbum” em boa qualidade vazou, concluímos: isso soa Madonna. A partir desta faixa começamos a entender de fato o que era Hardy Candy.

O mais comercial trabalho de Madonna desde True Blue (86), a artista pop sempre inventiva quer fazer as pazes com o mercado fonográfico americano, no qual vem tendo uma relação meio espinhosa desde Erótica (92). O mais assustador de fato foram as críticas, que rolam por ai. A “Revista Época” afirma que: "'She´s not me' é um recado de Madonna às aspirantes". Mais equivocado ainda é a Folha de São Paulo, que diz que "Madonna se perdeu na modernidade". Hard candy pode ser qualquer coisa, menos ter a pretensão de ser moderno! E ainda afirmam que os sintetizadores 80tentistas de “Incredible” lembram sons de cascavel. (afff) A Lista de equívocos é longa. OS ite EP que nunca consegue definir qualquer coisa, além de: “absurdinho”,“rebolativo” ou “xoxo”, não é diferente nesse caso.

A pergunta é: A critica brasileira não consegue analisar um álbum fácil como o da Madonna, vai analisar o que?
(Nós aqui do Ipod, não somos jornalistas e sofremos do mal da Alzira é só não fazer uns sons repetitivos, que a gente já sobe no “queijinho”).

Hard Candy é fácil, simples e pop. “Candy Shop” abre com respeito, batidas bem sincopadas e versos acertados nos anima, para o que vem a seguir. “4 Minutes” é o Épico –Hino dançante, feito sob medida para conquistar grandes platéias. A letra engajada soa enjoativa, mas os beats fáceis de Timbaland, salvam.

Permeada em todos os fãs o medo de que Madonna virasse uma popozuda à moda J-lo, mas “Give it 2 me”, prova que não, pois é a uma das faixas mais legais e dançantes e que reverbera completamente Madonna. E pasmem aquela Madonna Oitentista da primeira metade dos anos 80. “Heartbeat” é Ok, dançante e fala basicamente que se a música toca, você deve seguir a batida do coração e dançar junto. Com uma sonoridade funk 70 é bem agradável. “Miles Away” mostra que Madonna aprendeu a fazer balada para os anos 2000. Simples, romântica, pouco melosa fala sobre amores expressos e distantes, com um “so far away” pegajoso, você vai acabar cantando junto.

“She´s not me”e “Incredible” são a comprovação de que este trabalho não é diferente dos outros, no que se refere ao poder de decisão da Diva. São tão chatas e dejàvus na temática e na sonoridade, que dizemos ser o típico erro “madonico”. “She’snot me” até passa, com o tempo você vai se acostumando, já que é pegajosa etenta esquecer a bobagem da letra, mas “Incredible” é vergonhoso algo assim entre Nobody’ s perfect / Words / Can’t Stop deu para catar o fundamento? Enfim, “Beats Goes on”, bem melhor do que a versão demo vazada meses atrás é deliciosamente funk e hedonista ao lado de “Give it 2 me” os grandes momentosdo álbum!

“Dance 2nigh’t” é gostosinha, Madonna sempre faz uma música despretensiosa e dançante (Don’tStop, Bye Bye Baby, Impressive Instant). “Spanish Lesson” é outro momento vergonha com Madonna fazendo a étnica (Isaac, Shanti) deve haver quem goste disso, nós achamos desnecessário.
As duas próximas faixas são classudas, com letras mais razoáveis, talvez seja nessas que Madonna assegure a tese de que suas letras são mais contraditórias e densas que no passado. “Devil wouldn’t recognize you” e “Voices” fecha um dos álbuns mais especulados da Diva, que mostra sinais de cansaço, mas não deixa de nos entregar faixas descompromissadas, urgentes, fáceis, competentes e dançantes.

Baixe Hard Candy ao lado
Nota:
e meio


****************************************

Not related:

Baixe aqui o álbum The Gossip - Live in Liverpool (maravilhoso).
Tomara que eles venham para o Tim Festival !
(Estamos em busca do DVD do show ;))



Bom findie !

A Família Wainwright

Share

Como discussões num jantar de Ação de Graças se tornam belas canções.



O pai e a mãe

Loudon Wainwright III

Nascido em 1946 na Carolina do Norte, começou a cantar e compor músicas folk após ter visto Bob Dylan num festival em 1962.Não é muito famoso, mas é respeitado.Atuou no seriado M*A*S*H* e compôs a música Dead Skunk, seu hit mais conhecido.
Casou-se com a cantora e compositora canadense Kate McGarrigle, tiveram um casal: Rufus Wainwright e Martha Wainwright.
Divorciaram-se quando Rufus completou três anos.
Desde então continua a gravar álbuns e participar de filmes e seriados, como em O Aviador, de Martin Scorsese e Peixe Grande, de Tim Burton.

Kate McGarrigle

Nasceu no Canadá em 1946.Cantora e compositora folk junto com sua irmã Anna, e logo criaram uma dupla.Lançou vários álbuns, sem seu devido reconhecimento.

O Filho

Rufus Wainwright

Nasceu em 1973 em Nova York.
Começou a aprender piano com seis anos de idade, com treze anos já participava de tours com sua irmã Martha, sua mãe e sua tia na banda “The McGarrigle Sisters ans Family”.
Estudo em Montreal na faculdade Piano Clássico e Rock.
Em 1999, numa entrevista a revista Rolling Stone, saiu do armário.Disse que seu pai sabia que ele era gay quando ainda era muito jovem.”Estávamos passeando de carro, quando no rádio começou a tocar ‘Heart of Glass’ da banda Blondie.Ai comecei a dublar a música, fora isso, diversos outros sinais.”
Disse depois que seus pais nunca aceitaram realmente ele como gay e que nunca conversaram sobre o assunto.
Com catorze anos foi estuprado num parque em Londres, depois de pegar um cara num bar.
Com medo de ter contraído AIDS se tornou celibato durante sete anos após o incidente.
Depois, numa entrevista disse que pensou que ia ser um passeio romântico no parque, assistir a um show que acontecia no local, mas depois o cara o estuprou, o roubou e tentou estrangular Rufus, que fingiu ser epilético para escapar do ataque.
Fixou-se em Montreal em 1998, onde gravou várias fitas demo que foram parar nas mãos de um executivo da Dreamworks, onde assinou contrato e gravou o álbum ‘Rufus Wainwright’.
Aclamado pela crítica e por artistas, gravou mais um álbum ‘Poses’ (lançado em 2001), mais uma vez bem elogiado.
No começo dos anos 2000, se viciou em ‘cristal’, entre outras drogas.Depois de uma semana surreal onde festejou com Bárbara Bush (a filha do presidente), participou de seriados e teve alucinações com seu pai, resolveu pedir ajuda.Elton John o convenceu a se internar numa clínica, período que sairia com grandes canções sobre a reabilitação que resultaria no ótimo álbum ‘Want One’.
Em 2004 lançou seu mais recente álbum o excelente ‘Want Two’.
Os temas de suas canções são dos mais diversos: desde sua família (como em “Little Sister” e “Dinner at Eight”,essa ultima sobre uma discussão com seu pai); seus vícios (como na sutil “Cigarrettes and Chocolate Milk” e “Go and go ahead”); política e religião (nas “Wainting for a Dream” e “Gay Messiah”) e até sobre o cinismo do amor (como na excelente “The One You Love”, “The Art Teacher” e na que compôs especialmente para o filme “O Segredo de Brokeback Mountain”, “The Maker Makes”).
Participou de diversos álbuns de consagrados artistas, em especial no último álbum da banda Antony and the Johnsons, na musica “What can I do ?”.
Antony participa do Want Two na música “Old Whore’s Diet”.
Seu último álbum "Release The Stars" saiu em 2007.
Rufus acabou de lançar o álbum "Rufus Does Judy At Carnegie Hall " do show em que recriou música por música de Judy Garland de Carnegie Hall em 1691.

A Filha

Martha Wainwright

Nascida em 1976 no Canadá.
Estudou arte dramática na faculdade e sempre fazia “backing vocal” nas musicas do irmão mais velho, Rufus.
Influenciada pela vida insegura, à sombra do irmão e pela ausência do pai, começou a compor musicas fortes e tristes, sempre no som do folk-pop moderno.
Lançou seu primeiro álbum intitulado Martha Wainwright em abril de 2005.
Martha sabia que seu álbum ia ser julgado porque seu pai foi considerado o “novo Bob Dylan” e seu irmão “o melhor compositor do planeta”, de acordo com Elton John.
Sua relação com seu pai não é das melhores.Às vezes introduz seu maior hit “Bloody Motherfucker Asshole” nos shows dizendo: “Essa é uma música sobre meu pai”.
Que segundo ela, seu pai ao invés de criar seus filhos, escrevia canções sobre eles.
Um exemplo disso é a música “Lullaby” (Canção de Ninar em inglês), que Loudon repete no refrão “Cale a boca e vá dormir”.
Martha também participa de álbuns de outros artistas, como na excelente música “Set the fire to the third bar”, da banda inglesa Snow Patrol.
Seu próximo álbum "I Know You Are Married" (fraco, por sinal) sai no final do mês, porém já vazou (baixe aqui em breve).


Rufus e Martha fazem show hoje no Via Funchal, depois seguem para Brasília e Belo Horizonte - leia review amanhã.

8.5.08

Novo de Gabriel García Márquez

Share

O escritor colombiano Gabriel García Márquez (dos sensacionais Cem anos de Solidão e O Amor nos tempos do Cólera") publicará antes do fim de 2008 um novo romance sobre o amor. O jornalista Darío Arizmendi, disse que se reuniu no fim de semana no México com o escritor, que lhe contou que está dando os últimos toques em seu novo romance, cujo título ainda não foi definido. "Trata-se de um romance que García Márquez tinha na geladeira. Ele o criou, escreveu um rascunho, não gostou, escreveu outros até chegar a um quinto rascunho. Agora está pronto. É um livro sobre o amor e sairá antes do final de 2008, em agosto ou setembro", garantiu Arizmendi. O jornalista, um amigo próximo do autor ganhador do Nobel de Literatura de 1982, terá cerca de 250 páginas e disse que Márquez está completamente lúcido aos seus 81 anos de idade.
O último romance do escritor, "Memórias de Minhas Putas Tristes" foi publicado em 2004.



Novo Leak ao Lado
Baixe já o álbum da Scarlett Johansson, uma surpresa e tanto!
Parece algo como "prima de terceiro grau da Cat Power" - destaque para "I dont wanna grown up" !

Madonna "Sticky and Sweet" Tour Datas

Share

Clique aqui para ver ;)
Datas para México, América do Sul e Ásia, dia 20 de maio.



Obrigado Luan !

Confira nosso review de Hard Candy amanhã !

Macy canta free em São paulo

Share

A cantora Macy Gray e o pianista Herbie Hancock (Dispensável) se apresentam no dia 1º de junho no Parque Villa-Lobos, em São Paulo. Aberto ao público, o evento será gratuito e os shows acontecem a partir das 15h.

Gray e Hancock divulgam seus mais recentes álbuns: "Big" (2007) e "River: The Joni Letters" (2007). Os shows serão realizados separadamente e, até o momento, não está prevista participação conjunta entre os artistas.


Macy Gray - Sexual Revolution

6.5.08

The Go! Team substitui Chromeo no Motomix

Share

The Go! Team (a banda mais animada de todos os tempos) vai substituir Chromeo no Motomix que acontece dia 28/07 no Parque Ibirapuera for free!


The Go! Team - Grip Like A Vice

5.5.08

Clockwork Stress Video

Share




Editado por nós do iPod

Chromeo - Fancy Footwork Video

Share

Sites estrangeiros dizem que Madonna vem ao Brasil este ano

Share

O lançamento de “Hard Candy” acaba de ser feito em Nova York e sites estrangeiros já começam a divulgar as datas da próxima turnê de Madonna . E desta vez, pelo que consta, ela pode voltar ao Brasil.

Segundo o indielondon.com, a cantora bota o pé na estrada em agosto, começando por Zurique, na Suíça, e faz show no Rio de Janeiro no dia 9 de dezembro. Na passagem pela América do Sul, de acordo com o site, Madonna fará dois shows em Buenos Aires, dois em Santiago do Chile, um no Rio e outro em Fortaleza, marcado para o dia 11 do mesmo mês.

Já os sites de venda de ingressos têm informações desencontradas. Enquanto o SOSMasterticket dá como certa a vinda da cantora para o Brasil – os ingressos no Maracanã já teriam até preço de venda, entre R$ 400 e R$ 1.220 –, o Paperticket.com tem um buraco na agenda da cantora bem no mês de dezembro, o dos supostos shows na América do Sul.

fonte: Ego

Desculpa, mas Fortaleza ?! Vai ser no Beach Park ?!

2.5.08

The Dø - A Mouthful ; Why? - Alopecia

Share

The Dø - A Mouthful



O indie nunca foi tão gostoso de se ouvir.
Os integrantes são Olivia B.Merilahti e Dan Levy, juntos fazem parte da banda mais interessante desde Drugstore.
Seu álbum debut "A Mouthful", uma das melhores surpresas de 2008 traz faixas que são desde declarações de amor, como Song For Lovers e Stay (just a little bit more), a canções surreais e rebeliões infantis, como Queen Dot Kong e Playground Hustle, respectivamente, que lembram muito The Go-Team, com vocais de crianças, passando por músicas sobe "auto-desentendimento" como a ótima Travell Light.
A voz meiga de Olivia (meio 60's) é apaixonante a primeira ouvida, como todo o álbum, ficando mais e mais delicioso de se ouvir a cada play.
Num álbum absurdete, há algo sempre novo em cada faixa, numa completa mistureba de estilos o que banda faz muito bem, e o avant garde melhor que muita coisa por aí.


On My Shoulder

Baixe aqui
Nota:



WHY? - Alopecia



O mundo musical está lotado de cantores/bandas de hip hop, que se multiplicam a cada garoto da periferia americana produzidos pelas grandes gravadoras.Um conceito sempre reaproveitado, nunca inovado, até mesmo em seu processo de fabricação que não tarda a chegar nos surbúrbios de vários países, lotando os iPods dos jovens.

"Se você cresceu com garotos brancos que só viam pornografia de negros e porto riquenhos porque eles querem algo que seus pais não têm, então você sabe onde está" - assim começa Good Friday, faixa de Alopecia, terceiro e obra prima da banda hip hop indie da California Why?.
Perdoe o trocadilho, mas Alopecia é um questionamento (e muitas vezes justificativa) para os meios sociais atuais dos EUA, discutindo as nunca sendo enfadonho sobre o american way of life do século 21.
"...esses poucos presidentes amassados no meu bolso não podem persuadir nenhum Deus, para deixar deixar eu deixar você falar... para deixar você de fora..." diz These Few Presidents.
O discurso sociopolítico dá uma pausa na surreal The Hollows, a melhor do álbum.
Segundo a página deles no myspace "Alopecia é uma coleção de rimas fortes e músicas cruas forçadas através do sorriso teimoso de um amante da vida ensoberbecido e renascido...este é um álbum de piadas secas, suicídios usados muito em poemas...escritos em banheiros,invejando auto-afirmações ... e glórias de cada dia vivido..."
Why? nesse que é um dos melhores álbuns de 2008, é uma das bandas mais originais dos últimos anos, discutindo, questionando a sociedade americana, mas sempre cheios de irônia e sarcasmo e sempre de forma inteligente, nunca se perdendo a essa vertente, explorando também por meio de letras ousadas e marcantes e provocativas todos os lados
e sentimentos do ser humano, onde parece que o vocalista e compositor Yoni Wolf esteja amaldiçoado por sentir muito e tudo.
Um álbum essencial.


Song of the Sad Assassin dirigido e animado por Mike L. Mayfield (diretor de animação de Uma Família da Pesada)

Baixe aqui
Nota: